GÊNERO

Comissão de Direitos Humanos e Grupo de Pesquisa Eneida de Moraes destacam a vivência de mulheres rurais

A parceria buscou registrar em vídeo mulheres ligadas a territórios rurais do Pará para falar sobre protagonismo e luta pela terra

A luta e a participação diária na vida social é uma via construída por muitas mulheres. Mesmo em maior número nos centros e interiores do país, a participação feminina – com destaque às mulheres do campo e periféricas – ainda é uma pauta que caminha na invisibilidade de acesso aos direitos básicos. 

Os movimentos sociais de mulheres no Brasil são referências em muitos temas de interesse coletivo tanto local quanto internacional, a pauta dos direitos femininos é um movimento articulado que ao longo do tempo teve decisivas contribuições no processo de democratização do Estado e realizou ações importantes na implementação de políticas públicas para as mulheres.

Destaque para os inúmeros órgãos e debates voltados para traçar políticas públicas de promoção da igualdade de gênero e combate à discriminação contra as mulheres, redes de apoio, espaços de escuta, entre outras iniciativas que pensam a participação e o bem-estar feminino.

A presença das mulheres na militância há décadas é expressiva e crescente, a exemplo da participação em reivindicações pelo direito ao voto, por educação, pela autonomia de seus próprios corpos, contra governos ditatoriais ou em lutas pela democratização de acesso à terra lideradas por mulheres em movimentos sociais campesinos. 

MULHERES NOS MOVIMENTOS SOCIAIS

A Marcha das Margaridas, organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), é um dos movimentos mais significativos na pauta de luta pela terra. Ela tem levado milhares de mulheres, que vivem nos espaços rurais, para Brasília há mais de vinte anos e na sua primeira edição, em 2000, foram 20 mil manifestantes.

Traçar a importância do trabalho e a atuação das mulheres que vivem nas zonas rurais do Pará e identificá-las como sujeitos políticos que cotidianamente buscam espaços para ampliar sua voz, foi o mote entre a parceria da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará (ALEPA) e o grupo de pesquisa Gepem da Universidade Federal do Pará (UFPA) para desenvolver produtos audiovisuais que registram a atuação de jovens mulheres lideranças em suas comunidades rurais e relatarem sobre sua vivência dentro das suas comunidades.

A jovem Manú de 26 anos, integrante do Movimento Sem Terra no Pará, acampada na comunidade rural de reforma agrária Terra Cabana destaca que a sua inserção na luta nos movimentos coletivos partiu da sua infância, com a formação religiosa, mas se estabeleceu na vida adulta com sua formação participativa nos movimentos populares da universidade, atualmente a jovem direciona coletivamente a Juventude Sem Terra no Estado.

Manú- Direção Movimento Jovem Sem Terra-Acampamento Terra Cabana

COMISSÃO E UFPA

A professora Drª Ruth Almeida coordenadora e idealizadora do projeto destaca a importância de estudar mulheres nas regiões rurais pelo fato de que os temas que atravessam essa lutas, como o sexismo, o racismo, a invisibilidade, entre outros giram em torno dos centros urbanos contribuindo ainda mais para a invisibilidade das mulheres campesinas, o que torna praticamente impossível gerar dados e informações sobre tudo o que atravessa a existência dessas mulheres.

“Estudar mulheres de regiões rurais é descortinar uma realidade que já é dramática, mas principalmente porque as pautas tendem a ser muito mais no ambiente urbano”, afirma.

Ela destaca ainda que nas regiões rurais os problemas sociais que cortam a vida dessas mulheres é altamente acentuado e elas são levadas a cumprir papéis reprodutivos e representativos, e quando saem dessa realidade, partindo para espaços de decisão elas se tornam protagonistas e rompem com a lógica do silenciamento, tornando os movimentos sociais encabeçados por mulheres uma ferramenta importante de independência.

Samily Valadares, de 26 anos, do território quilombola de Jambuaçú em Moju, é um desses exemplos em que os problemas sociais percorrem sem pedir licença a vida da jovem quilombola. Neste vídeo ela relata que os conflitos socioambientais travados nos territórios tradicionais atingem de forma diferente as mulheres por estarem na linha de frente dos embates, principalmente por tomarem a frente da conservação do território, na luta por saúde e educação contextualizada

Jovem quilombola militante Samily Valadares- Quilombo Jambuaçú

Almeida completa destacando que nos movimentos, associações e estruturas sindicais de trabalhadores e trabalhadoras rurais há muita representação feminina nos cargos de liderança bem mais que os movimentos rurais só de mulheres, os quais ainda são poucos no Estado, contudo os postos de coordenação, presidência e lideranças dentro dos movimentos já criam espaços para discutir o papel das mulheres nas associações e cooperativas.

Texto: Thais Peniche

Revisão: Lilian Campelo


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

  1. […] 2019 na Casa Legislativa, a Lei possui um papel pedagógico e visa combater a violência contra a mulher orientado os estabelecimentos fixar cartazes nos banheiros femininos ou em qualquer ambiente do […]

    Permalink

Leave a Comment

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.