Subsistência das famílias do acampamento Helenira Resende está ameaçada, aponta relatório da Unifesspa

Sem categoria

Mais da metade das famílias acampadas no Helenira Resende sobrevivem do que produzem na terra. É o que aponta o relatório denominado Diagnóstico das condições produtivas, sociais e de infraestrutura do acampamento Helenira Resende, produzido pela Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa).

O documento com 15 páginas teve como base metodológica a aplicação de questionários elaborados pelos professores e alunos e através de levantamento de dados puderam traçar uma análise sobre as condições da produção agrícola, pecuária, comercialização de produtos e as condições da infraestrutura social e técnica existente no acampamento.

O Helenira Resende foi construído no dia 1º de março de 2009 por aproximadamente 380 famílias e encontra-se em uma área dentro do chamado Complexo Cedro, composto pelas fazendas Cedro, Rio Pardo e Fortaleza, localizado no município de Marabá e nas proximidades de Eldorado dos Carajás, às margens da BR-155.

Ainda de acordo com o relatório ao longo de dez anos as famílias tornaram o acampamento “marcadamente produtivo”, destacando sua herança familiar com a terra. “A relação com a terra é uma herança familiar registrada na história de todos os acampados, de forma que a produção agrícola é parte imprescindível do modo de vida que estes têm construído coletivamente no acampamento”, segundo trecho do documento.

Mais de 90% dos lotes possuem criação de pequenos animas como galinhas, porcos, gado de leite, patos e carneiro e que servem como alimento e renda. A produção de verduras e legumes também se destacam, assim como a atividade comercial de venda de leite, garantindo aos acampados e acampadas sua sobrevivência, uma diversidade de produção frente as diversas violações de direitos, ausência de assistência técnica, crédito e apoio governamental.

Mesmo tornando a área produtiva as famílias vivem sob constante ameaça de despejo. A nova ordem judicial para reintegração de posse da terra está marcada para o dia 10 de marco de 2020, no qual o requerente da ação é o grupo agropecuário Santa Bárbara Xinguara S/A, ligado ao banco Opportunity, do empresário Daniel Dantas.

Caso seja efetivado uma das consequências será  “o agravamento de problemas sociais das mais diversas ordens nos municípios de Eldorado dos Carajás e Marabá e na região como um todo”.

Leia o relatório completo: clique aqui


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.