Semana do Empoderamento Feminino é aprovada na Alepa

Sem categoria



Uma semana para promover a igualdade de gênero nas escolas públicas e privadas do Estado, com diversas atividades socioeducativas, envolvendo alunos, professores e comunidade: o projeto de lei que institui a Semana do Empoderamento Feminino, apresentado pelo deputado estadual Carlos Bordalo (PT), foi aprovado pela Alepa nesta terça-feira (04). Agora segue para sanção pelo governador do Estado.   

O objetivo principal é estimular entre as meninas e jovens a participação efetiva nas diversas esferas da sociedade, apoiando mudanças culturais, desconstruindo preconceitos e promovendo a equidade de gênero. A Semana do Empoderamento Feminino será realizada anualmente, sempre na primeira semana de março, antecedendo o Dia Internacional da Mulher, e as ações socioeducativas irão promover o debate acerca dos direitos humanos, com foco em igualdade de gênero. 

No decorrer da programação, as escolas poderão realizar atividades como oficinas e palestras sobre a biografia e o legado de mulheres que moldaram a história do mundo em diversas áreas, como Ciências, Filosofia, Arte, Literatura e Esportes. Mulheres como a paquistanesa Malala, alvejada com um tiro na cabeça pelos terroristas talibãs que acreditam que as mulheres não devem ter direitos. Considerada “a garota mais corajosa do mundo”, Malala recebeu o Prêmio Nobel da Paz aos 17 anos e tornou-se símbolo da luta pela educação das meninas do mundo inteiro. 

A programação também poderá incluir exibição de filmes, rodas de conversa sobre o tema, apresentação de artistas mulheres das mais diferentes linguagens e produção de material educativo. O símbolo da campanha será o símbolo do feminismo, por representar a luta histórica das mulheres pela igualdade de gênero.
Sobre a importância do projeto de lei, o deputado Carlos Bordalo, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Alepa, explica que o Brasil é o pior país da América do Sul para oportunidades e desenvolvimento das meninas. Entre 144 nações avaliadas, o Brasil está na 102ª posição no ranking que considera índices como casamento infantil, gravidez na adolescência, mortalidade materna, conclusão do estudo secundário e representação das mulheres na política.  

Outra face cruel dessa desigualdade são os altos índices de violência doméstica no Brasil:  a cada 7 minutos uma mulher é agredida, violentada ou estuprada. Segundo a ONU, 14 dos 25 países com maior taxa de feminicídio no mundo estão na América Latina. No entanto, as diferenças são gritantes: a cada 36 horas, uma mulher é vítima de feminicídio na Argentina, enquanto no Brasil este tipo de crime ocorre a cada duas horas. São 13 feminicídios por dia. 

Sobre representatividade na política, o Brasil também amarga índices negativos. Com 9,6% de vagas ocupadas por mulheres no parlamento, o país está numa das últimas posições no ranking representação política feminina da ONU. Isso porque historicamente as mulheres foram alijadas da esfera pública e confinadas aos espaços domésticos. 

“Somos o quinto país que mais mata mulheres. O Pará está na 10ª posição brasileira, com aumento de mais de 100% de vítimas mortas em dez anos”, explica o parlamentar. “Precisamos mudar essa cultura machista, que coloca a mulher como objeto da vontade masculina. Mulheres devem ser protagonistas do próprio destino”, defende o parlamentar, acrescentando que é urgente não somente discutir a igualdade de gênero, mas implementar leis e políticas públicas que busquem acabar com as desigualdades. “É urgente priorizar as meninas como o grupo social mais vulnerável”.
Para o deputado, instituir uma semana nas escolas para o debate sobre igualdade de gênero não é suficiente para reverter esse quadro, mas significa um primeiro passo para estimular essa discussão entre as crianças e os jovens.  

“Uma escola não deve se limitar a ensinar letras e números, mas promover cidadania, tornando-se um espaço democrático e inclusivo, onde estudantes aprendem que devem conviver com as diferenças, longe da violência e da opressão. Falar de gênero na escola é exercitar a cidadania para o reconhecimento da igualdade entre homens e mulheres, rumo a uma sociedade inclusiva e equitativa, onde todos e todas tenham os mesmos direitos e as mesmas oportunidades”.

Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

  1. Parabéns, deputado, excelente atuação a favor das causas femininas.!

    Permalink

Deixe uma resposta

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.