Garantia de Direitos – Marcha das Margaridas 2019

Sem categoria

Mulheres do campo, da floresta e das águas de várias partes do país saíram dos seus territórios e seguem em direção a Brasília para participar da sexta edição da Marcha das Margaridas, considerado a maior ação de mulheres da América Latina.

Entre os dias 13 e 14 de agosto Brasília irá reunir em um único espaço mulheres quilombolas, camponesas, marisqueiras, extrativistas, quebradeiras de coco, pescadoras e indígenas.

Coordenada pela Confederação Nacional de Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag) a marcha é construída em parceria com os movimentos feministas, centrais sindicais e organizações internacionais.

A primeira marcha ocorreu no ano de 2000, sempre trazendo lemas de reivindicações aos direitos das mulheres do campo. Na sexta edição deste ano o lema é Margaridas na luta por democracia, qualidade e fortalecimento da atuação política das mulheres. Ângela de Jesus, presidenta da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Estado do Pará (FETAGRI), explica que a pauta é de denúncia contra os retrocessos aos direitos das trabalhadoras do campo no atual momento politico e social, mas trazendo também de defesa da Amazônia.

“Em caráter de denúncia também pautando os temas amazônicos como a defesa da floresta, dos nossos territórios. Nós estamos levando nossos eixos temáticos e sensibilizando através das nossas faixas, das nossas bandeiras, aquilo que queremos externalizar para o mundo”, completa.

Ângela estima que somente na região norte mais de 10mil mulheres irão para Brasília, no Pará são mais de três mil mulheres de diversas regiões do estado.

A Marcha das Margaridas homenageia a luta de Margarida Alves, sindicalista brutalmente assassinada por um matador de aluguel em 1983 por defender os direitos dos trabalhadores rurais. Em 2019, completam-se 36 anos de seu assassinato. Até hoje, nenhum acusado por sua morte foi condenado.

Carmen Foro, vice-presidenta da CUT nacional, Central Única dos Trabalhadores, foi uma das mulheres que participou da mobilização da primeira marcha, em 2000, e desde lá só cresce.

“E a marcha vem só crescendo ao longo do tempo. Nossa pauta se consolidando como uma pauta que aponta um caminho de desenvolvimento para o país e inclusivo com as mulheres do campo, da floresta e das águas. E hoje nós temos mulheres que participam dessa marcha inclusive mulheres da cidade, que compreendem que é necessário fazer uma mobilização conjunta”.

Este ano também ocorre a primeira marcha das mulheres indígenas em Brasília, começou no dia 9 e encerra dia 14. No dia 13 haverá o encontro dessas mulheres de várias partes do país. Um encontro de lutas, histórias e saberes.

 


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.