A Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) realiza nesta segunda-feira, dia 12, a partir de 9h, uma Sessão Solene em Homenagem a Paulo Fonteles Filho (1973-2017), um dos maiores defensores de direitos humanos da Amazônia. Filho do advogado e deputado estadual Paulo Fonteles, assassinado há 30 anos, Paulinho Fonteles, como era mais conhecido, foi líder estudantil, […]

Alepa realiza Sessão Solene em Homenagem a Paulo Fonteles Filho

Sem categoria




A Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) realiza nesta segunda-feira, dia 12, a partir de 9h, uma Sessão Solene em Homenagem a Paulo Fonteles Filho (1973-2017), um dos maiores defensores de direitos humanos da Amazônia. Filho do advogado e deputado estadual Paulo Fonteles, assassinado há 30 anos, Paulinho Fonteles, como era mais conhecido, foi líder estudantil, dirigente comunista, parlamentar, estudioso, pesquisador e poeta. Realizada no Plenário Newton Miranda, a sessão solene marca um ano do falecimento de Paulinho e presta uma devida homenagem ao seu legado. O evento é aberto ao público. 

“A visão mais antiga que tenho de mim mesmo é ter nascido na prisão e ser filho de comunista”, costumava dizer Paulinho Fonteles. Seus pais foram perseguidos e presos pela Ditadura Militar e o pai assistiu a torturas da mãe, Hecilda, grávida de cinco meses. Antes do nascimento de Paulinho, os agentes teriam dito a ela que “filho dessa raça não deve nascer”.  Depois do parto, os militares teriam demorado a entregar o bebê para a família, porque não encontravam algemas que coubessem nos pulsos do recém-nascido. “Eles deviam me achar bastante perigoso!”, ironizou Fonteles em seu depoimento ao livro “Infância Roubada: Crianças Atingidas pela Ditadura no Brasil”, elaborado pela Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”. 

Desde adolescente, ainda estudante no Núcleo Pedagógico Integrado (NPI), Paulinho começou a militância atuando no Grêmio Estudantil, chegando à direção da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES) de Belém. Nos primeiros anos da década de 1990, estudou Filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e militou na União Estadual dos Estudantes, no Rio de Janeiro. Foi então convidado pela veterana comunista Elza Monnerat para compor um grupo de trabalho com a missão de localizar desaparecidos políticos na Guerrilha do Araguaia.

“Foram meses percorrendo a região ao lado de Sinvaldo Gomes, Zé da Onça, Peixinho, Diva Santana, Flávio Sacramento, Zé da Luz e Maria da Metade. Aqueles dias perdidos ainda vivem dentro da gente”, revelou Paulinho Fonteles. 
Paulo Fonteles Filho exerceu dois mandatos como vereador do PCdoB na Câmara Municipal de Belém, destacando-se na defesa dos direitos humanos, da produção cultural do povo amazônida, dos direitos da juventude com foco na educação de qualidade e no direito ao trabalho com dignidade. 

De 2009 a 2015, visitou a Região do Araguaia, e como grande observador da condição humana, passou a relatar sobre os causos daquela gente sofrida. Como ele próprio contava: “Me debruço a relatar as vivências dessa experiência, muitas vezes enfrentando o medo, o silêncio como regra e as longas viagens com meus companheiros pelos sertões deste país profundo e desigual”.

Resultou desta experiência o livro “Araguaianas”, em parceria com o cartunista paraense Paulo Emmanuel, editado pela Fundação Maurício Grabois. Paulo Fonteles foi Ouvidor do Grupo de Trabalho Tocantins (2009/2011) e do Grupo de Trabalho Araguaia (2011/2015), ambos do governo federal. 

Como pesquisador dos desaparecidos políticos, Paulo Fonteles Filho tornou-se cada vez mais um ardente defensor do direito ao exercício da justa política. Um incentivador dos profissionais que produzem audiovisual, em especial para o registro da cultura popular e para a difusão da memória histórica do povo brasileiro. 

O protagonismo nos Grupos de Trabalho Tocantins e Araguaia deu ao jovem Paulo Fonteles a oportunidade de, junto com entidades democráticas e personalidades, construir o Comitê Paraense pela Verdade, Memória e Justiça, assegurando estreita relação com os trabalhos da Comissão Nacional da Verdade. Esse exercício levou à criação da Comissão da Verdade do Pará, importante vitória democrática dos paraenses. 

O compromisso firmado por Paulo Fonteles Filho de honrar o legado do pai foi permanente em sua vida. Com o apoio dos irmãos, amigos e camaradas, conseguiu concretizar o sonho de criar o Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos, entidade não governamental, sem fins lucrativos, que desenvolve projetos em defesa dos movimentos sociais, da democratização da comunicação e do resgate da verdade, memória, justiça e reparação das vítimas da Ditadura Militar no Brasil. Paulo Fonteles Filho faleceu em 26 de outubro, em decorrência de uma pneumonia.  

SERVIÇO: Sessão Solene em Homenagem a Paulo Fonteles Filho (1973-2017). Nesta segunda-feira, dia 12, às 9h, no Plenário Newton Miranda, da Assembleia Legislativa do Pará. Evento aberto ao público. 

Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.