Criado grupo de trabalho para sistematizar propostas da agricultura familiar no Pará

Sem categoria
sessão especial da agricultura familiar na Alepa / Créditos: Ascom deputado Botdalo

Um grupo composto por representantes dos movimentos sociais, instituições governamentais e pesquisadores irão sistematizar as propostas apresentadas durante a sessão especial da agricultura familiar realizada na segunda-feira (05), que ocorreu no auditório João Batista da Assembleia Legislativa (Alepa).

De proposição do deputado Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Alepa, a sessão tinha como objetivo discutir sobre os desafios e potencialidades do setor no estado.

Para contextualizar o cenário socioeconômico da agricultura de base familiar o pesquisador Romier Sousa, professor do Instituto Federal do Pará (IFPA) campus Castanhal, informou que existem cerca 4,3 milhões de estabelecimentos de agricultores familiares no país, sendo que 88,3% encontram-se no estado, de acordo com o último censo do IBGE de 2006, dados que não foram mais atualizados como frisa o professor.

“A primeira coisa que se depara enquanto pesquisador que estuda o tema são os números atualizados sobre esse segmento. O censo de 2017 até hoje não foi publicado e nem liberado, e não temos dados que especifiquem a separação entre a agricultura familiar e a não familiar e isso é bastante preocupante”, pontua.

Nesse universo de estabelecimentos rurais Souza ainda destacou que não existe apenas uma agricultura familiar, mas diferentes atividades, com modos de produção, cultivos e saberes espalhados nas regiões que compõem a Amazônia paraense. “Então primeiramente pensar que a agricultura familiar não pode ter uma única política, uma única ação porque você tem diferentes expressões e formas de lidar com essa categoria social”, completa.

Souza faz parte de um coletivo de pesquisadores no IFPA que estuda sobre Agricultura Familiar no Pará e mediante estudos de casos ele apresentou uma série de contribuições para agenda e destacou como prioridades: o incentivo à produção de resíduos e adubos e base orgânica; revisão da política estadual de redução do uso de agrotóxicos; criação de uma política para os agroextrativistas; implementação da política estadual de manejo comunitário e familiar; valorização da produção dos povos e comunidades tradicionais; combate e transição da monocultura de produtos como o açaí para um cultivo agroecológico, valorização da produção da agroindustrialização – processo de transformar alimentos in natura em produtos diferenciados e com valor agregado – e incentivo ao turismo de base comunitária.

Ângela de Jesus, presidenta da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Pará (Fetagri), enfatizou sobre a importância da agricultura familiar no combate à fome e lembrou que as Organizações das Nações Unidas (ONU) declarou 2019-2028 o decênio da agricultura Familiar e disse ainda que para apoiar o agricultor e agricultora o governo precisa destinar recursos sugeriu a criação do Plano Safra estadual e um fundo de apoio ao setor.

“Nos municípios os secretários da agricultura não têm orçamento para trabalhar, porque é diferente da saúde, da educação, onde tem fundo. Para a agricultura não tem nada, a gente precisa da pesquisa, de tecnologia, mas a gente precisa de orçamento”.

Participaram da sessão o secretário, Inocêncio Gasparim, da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (SEASTER); Carlos Ernesto, prefeito de Limoeiro do Ajuru; a deputada Marinor Brito (PSOL); Adriano Venturieri, Chefe geral da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); Thiago Ferreira, ouvidor do Instituto de Terras do Pará (Iterpa); Cláudio Augusto, diretor da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater); Euciana da Costa, presidente da CUT; Marcelo Saves, representante da Federação dos Empregados e Empregadas Rurais do Estado do Pará (FETERPA); Ayla Ferreira, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST); Carlos Augusto, diretor da Contag e Iuri Paulino, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Havia confirmando presença os representantes da Casa Civil e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), mas não compareceram. A Casa Civil coordena o processo de construção do plano estadual para geração de trabalho e renda do estado. O deputado Bordalo irá solicitará uma audiência com o chefe da Casa Civil para dialogar e apresentar as propostas voltadas para a agricultura de base familiar, quase sempre invisibilizadas por outros segmentos da agricultura empresarial.


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.