Comunidades enfrentam rotina de doenças e abandono em Marituba

Sem categoria

A dona de casa Andréa Cristina tem 26 anos e está no início de sua primeira gravidez. Desde o ano passado, sua rotina tem sido uma constante busca por atendimento médico, mas não por causa da gestação. “Comecei a sentir cansaço, falta de ar e dor no peito. Ia ao médico, receitavam remédio, eu melhorava. Depois voltava para casa, piorava. Altas horas da noite, voltava para a emergência”, conta ela. “Até que fiz um raio-X do pulmão e o exame atestou uma mancha”. 


Moradora do bairro Campina Verde, em Marituba, região metropolitana de Belém, Andréa tem sido afetada diariamente pelo forte odor exalado pelo lixão, localizado a poucos metros de sua pequena casa de alvenaria. “Quando o cheiro está muito forte, vou para a frente do ventilador, mas não consigo respirar. Como a situação está se agravando e pode prejudicar o bebê, a única solução é abandonar a minha casa, que eu lutei tanto para conseguir”, diz ela, sem esconder a dor e a indignação.

O relato de Andréa foi feito durante a diligência realizada pelas comissões de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará, presidida pelo deputado estadual Carlos Bordalo (PT), e de Desenvolvimento Urbano da Câmara Federal, tendo à frente o deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL), nesta segunda-feira, dia 04 de junho. A diligência foi acompanhada por representantes da Defensoria Pública do Estado, Universidade Federal do Pará, Instituto Evandro Chagas, Comissão de Saúde da Alepa e Movimento Fora Lixão de Marituba, além dos vereadores Fernando Carneiro, de Belém, e Chica Estrela, de Marituba. 

Assim como Andréa, muitos moradores do município de 130 mil habitantes estão padecendo com toda sorte de doenças: infecções respiratórias, manchas na pele, dor de cabeça, vômitos e diarreia, além da proliferação de ratos, moscas e outros insetos, prejudicando também o comércio. Eles afirmam que os problemas surgiram após a instalação do aterro sanitário, popularmente conhecido como “Lixão de Marituba”, em 2015, de propriedade das empresas Guamá Tratamentos de Resíduos LTDA (Revita), Veja Valorização de Resíduos S/A e Solvi Participações S/A. O aterro recebe todo o lixo de Belém, Ananindeua e Marituba. Segundo denúncias, o lixo é despejado diretamente no solo, sem qualquer separação entre recicláveis e orgânicos, e sem o sistema de tratamento de chorume, gerando um passivo gigantesco, de mais de 200 mil toneladas, que estaria sendo depositado em bacias ou enormes piscinas, algumas sem manta de impermeabilização, contaminando o lençol freático. 


Além dos moradores de Marituba, o lixão atinge diretamente a população do Quilombo do Abacatal, onde vivem cerca de 500 quilombolas há mais de 300 anos. A área é banhada pelo rio Uriboquinha que, embora pequeno e de pouca vazão, estaria sendo utilizado para o descarte de chorume. As empresas são alvo de inúmeras ações promovidas pelo Ministério Público do Estado do Pará, inclusive quatro ações criminais, que culminaram com a prisão de dois diretores e um funcionário.


Ruticleia de Souza Teixeira, diarista, 36 anos, mora na Rua Liberdade, no bairro Santa Lúcia 1, bem ao lado do lixão. Ela consome água de um poço artesiano, mas teme a contaminação do lençol freático. “Sabemos que existe contaminação, porque as frutas do nosso quintal estão comprometidas. Já vem tudo podre. Mas não temos condições de comprar água mineral e nem de ferver a água do poço”, diz ela.

A poucos metros dali, está localizada a Escola Municipal de Ensino Fundamental Santa Lúcia, onde a professora Sandra do Socorro também relata problemas de saúde. “Estou há dois anos tratando uma tuberculose. No ano passado, fiquei internada durante 22 dias na Santa Casa”, conta. O odor é mais forte de madrugada ou logo após as chuvas. E frequentemente a comunidade vê o dia nascer com uma espécie de “neblina”. “Estamos inalando ar poluído e isso está nos adoecendo”, acredita. 

Vanderléia da Silva, moradora da Comunidade Albatroz há cinco anos, tem depoimento semelhante: “A nossa respiração não é mais a mesma. E agora a nossa pele fica toda ruim”, diz ela, acrescentando que a empresa responsável pelo lixão nunca fez contato para oferecer qualquer tipo de atendimento à população. “Infelizmente não temos como registrar o mau cheiro, só passando o dia aqui para sentir e isso depende do vento, da temperatura. E nem todo mundo consegue exames ou tem dinheiro para pagar uma consulta particular”. 


Cileide Tavares, 34, é mototaxista. Ela diz que o mau cheiro provoca náuseas e dor de cabeça. “Às vezes acordamos às cinco da manhã com aquele fedor insuportável”, conta. “Meu filho está cheio de manchas no corpo. A gente sofre muito aqui com esse lixão”. 

“Vergonha”


Os impactos atingem também os pequenos empresários de Marituba. Quem investiu em restaurantes e balneários está vendo a clientela sumir e amargando prejuízos. “Nosso movimento aos finais de semana caiu em pelo menos 50%”, conta Sílvio Leal, do balneário Floresta Park, no bairro Campina Verde. 


“Ontem (domingo), estava cheio aqui, quando começou a vir aquele cheiro de coisa podre. A gente fica com vergonha e pede desculpas, mas as pessoas não aguentam e acabam indo embora”, lamenta. Difícil também é administrar as críticas nas redes sociais, que acabam manchando a imagem do empreendimento. “As pessoas dizem que o lugar é bom, o clima é familiar, mas o cheiro é podre. É um constrangimento”. 


Joelda está esperando o quarto filho. Aos seis meses de gravidez, ela mostra as manchas escuras pelo corpo. “Eu nunca tive isso”, aponta. A filha caçula está há cinco meses com uma alergia respiratória. “Minha filha menor adoeceu e nunca mais ficou boa. Acordamos com o mau cheiro de madrugada, sentimos enjoo e dor de cabeça. A gente não consegue nem dormir”, reclama. 


Na Comunidade Sagrada Família, no bairro São João, vivem cerca de 20 famílias de pequenos agricultores. A renda caiu bastante com as notícias de contaminação do solo e da água. “Ninguém quer mais comprar nossos produtos”, diz Luiz Gonzaga, 53 anos. “Agora a pupunha está escassa e já nasce bichada. A mesma coisa acontece com o jambo e a manga. Toda a nossa horta está sendo prejudicada. Onde a gente pescava não presta mais”, diz ele, contando que Embrapa e Emater já estiveram na área coletando amostras do solo e da água, mas ainda não houve retorno. 

“Tive que parar”

Morador da mesma comunidade, Carlos André Queiroz não consegue conter o choro quando relata que está há um ano em tratamento de pneumonia. “Eu trabalhava fazendo roçado, mas tive que parar minha atividade. Agora vivo correndo para todo canto fazendo exame, e nada dá resultado. Só estou vendo a minha situação piorar”. 


Marcela Lima, de 23 anos, tem uma bebê de nove meses. Ela conta que passou a gravidez tomando medicações para alergias respiratórias. “Fiquei com asma, rinite e mais cinco tipos de alergia. Hoje vivo à base de remédios e sem dinheiro para mais nada. Nossas crianças adoecem de vômito e diarreia, e os idosos também sofrem, porque é uma doença atrás da outra e não conseguem mais se recuperar”.


Dona Iraci Cordeiro dos Santos, 60 anos, relata problemas no estômago, diarreia, vômito, fraqueza e desânimo. “Morei a minha vida inteira aqui e não era assim. Achei que esse era o melhor lugar do mundo pra gente viver”. 


Júnior Vera Cruz , do Fórum Permanente Fora Lixão de Marituba, diz que a população não tem mais a quem recorrer. “Com a chegada do verão, as bactérias vão se proliferar e a situação vai piorar. Nossos direitos mais básicos estão sendo violados. Nossa população está morrendo”, resume. 

Recentemente, o Instituto Evandro Chagas esteve em Marituba coletando amostras de água de poços, poeira suspensa e solo de quintais em nove comunidades. O resultado dos exames deve ficar pronto dentro de duas semanas. Até lá, a Comissão de Direitos Humanos da Alepa irá apresentar o relatório da diligência. “Está claro que está ocorrendo algo muito grave em Marituba, uma verdadeira crise humanitária, porque os relatos são semelhantes, mesmo em comunidades diferentes”, diz o deputado Bordalo. “A Comissão de Direitos Humanos está atenta e, mesmo sabendo que não é uma questão simples, vamos somar forças para enfrentá-la”. (Texto e fotos: Márcia Carvalho/ CDH Alepa)

Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.