Bordalo aprova projeto que obriga informação sobre agrotóxicos em alimentos

Sem categoria


A Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) aprovou, nesta quarta feira (10), por unanimidade, um projeto de lei do deputado estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor, sobre o consumo de agrotóxicos. Pela proposta, será obrigatória a indicação expressa do uso de agrotóxicos nos produtos alimentares comercializados no Estado. O projeto segue agora para sanção pelo governador do Estado. 

O Brasil é o país que mais consome agrotóxicos no mundo. Maior produtor agrícola da região Norte, o Pará triplicou a comercialização de agroquímicos por área plantada, entre 2007 e 2013, segundo o Ministério da Saúde. A monocultura de soja e dendê, voltada para a produção de biocombustível, é altamente dependente de agrotóxicos, mas a contaminação também atinge outros produtos, como pimentão, morango, laranja e até mesmo mandioca. O deputado Bordalo tem realizado reuniões sobre o assunto e se posicionado na tribuna da Alepa contra o uso de agrotóxicos.

Pelo projeto de lei, a obrigatoriedade contemplará produtos em suas formas de apresentação natural, processada parcialmente ou industrializada, sendo válida para varejo, atacado e indústria, ficando dispensados os restaurantes e estabelecimentos similares.

A inscrição “Produzido com Agrotóxico” deverá constar no rótulo da embalagem, para produtos processados parcialmente ou industrializados e nas caixas de acondicionamento ou exposição, para produtos comercializados na sua forma natural, no atacado ou a granel.

O artigo 4º do Código de Defesa do Consumidor (Lei Nº 8.078, de 11 de setembro de 1990), estabelece que a Política Nacional de Relações de Consumo “tem por objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria de sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia nas relações de consumo (…)”.

“Portanto, é direito do consumidor ser protegido contra produtos ou serviços que possam ser perigosos e que provoquem danos à saúde física ou mental”, diz o deputado. “Um alimento não pode conter uma substância que pode fazer mal à saúde; um açougue não pode vender carnes embrulhadas em sacos de lixo ou papel de jornal; um remédio que causa dependência não pode ser vendido livremente, sem receita médica”, argumenta o parlamentar.

No art. 6º do CDC, logo no inciso I, está estabelecida a garantia à proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos. No inciso III, “a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como os riscos que apresentem”.

Os Arts. 8º, 9º e 10º do Código de Defesa do Consumidor estabelecem que o fornecedor deve informar, nas embalagens, rótulos ou publicidade, os riscos do produto à saúde do consumidor. Se o fornecedor, depois que colocou o produto no mercado, descobrir que ele faz mal à saúde, precisa anunciar aos consumidores, alertando-os sobre o perigo.


Em que pese os possíveis “benefícios” para a agricultura, os agrotóxicos são extremamente nocivos para os seres vivos e podem desencadear contaminação e poluição do solo, água e até mesmo do ar. Pesquisas apontam que certos tipos de agrotóxicos podem causar doenças graves e levar à morte. Entre os problemas mais recorrentes estão as lesões nos rins, cânceres, redução da fecundidade, problemas no sistema nervoso, convulsões e envenenamento.

Segundo dados da Anvisa (2013), 64%dos alimentos estão contaminados por agrotóxicos e 34.147 notificações de intoxicação por agrotóxico foram registradas de 2007 a 2014 (MS/DataSUS). Houve um aumento de 288% de aumento do uso de agrotóxicos entre 2000 e 2012 (Sindag).


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.