A conquista da aposentadoria rural e a ameaça da reforma da previdência para o trabalhador do campo

Sem categoria
 Pela reforma da previdência o agricultor terá que pagar por uma taxa anual para garantir sua aposentadoria / Contag-Divulgação

A previdência social rural possui grande importância na história de luta dos movimentos sociais do campo e de garantia de direitos ao agricultor e agricultora do país. A primeira conquista reconhecida foi com a criação do estatuto rural em 1963, que deu início à formação de um sistema previdenciário voltado ao trabalhador do campo, tornando-se lei de proteção social em 1991.

Ângela de Jesus, presidenta da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará (Fetagri), explica as conquistas dos direitos trabalhistas, entre elas a aposentaria, para o trabalhador do campo.

“Tudo que nós, trabalhadoras e trabalhadores rurais, conseguimos ao longo da história foi com muita luta, pressão e mobilização. Antigamente era com o Funrural [Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural] que era  meio salário mínimo. Depois foi uma conquista através da constituição, nenhum trabalhador recebia menos que um salário mínimo; salário maternidade para as mulheres, aposentadoria rural, auxílio doença, reclusão, benefício por incapacidade, diretos conquistados com muita luta e mostrando a importância dos trabalhadores do campo”, argumenta.

O Funrural foi criado em 1971, período da ditadura militar, e consistia na cobrança de 2% sobre a comercialização do produtor rural com a finalidade de arrecadar dinheiro para financiar a previdência rural. Em 1988, com a nova Constituição Federal, o Funrural foi extinto e foi criado o Regime Geral de Previdência Social, com regras diferenciadas para o trabalhador do campo e da cidade.

Atualmente, tramita no congresso projeto da reforma previdência. Pela nova proposta mulheres, professores e trabalhadores do campo, serão os mais prejudicados. De regra a reforma pretende privatizar a previdência social e estabelece que o trabalhador financie a própria aposentadoria, sistema baseado na capitalização.

Pela reforma, para o trabalhador e trabalhadora rural, o financiamento para a sua aposentadoria será um valor mínimo anual de R$ 600 por grupo familiar, que ele terá que pagar por meio da comercialização de sua produção agrícola. Se a contribuição sobre a produção não for suficiente o agricultor terá que complementar o valor. No entanto, se o valor descontado for maior, o governo sairá ganhando.

A socióloga e diretora da Fundação Perseu Abramo, Isabel Anjos, avalia que a reforma da previdência não pode ser prejudicial para o trabalhador.

“Há que se ponderar uma lógica: a previdência não é resposta à crise fiscal. O desenvolvimento econômico do país pode trazer elementos que de fato produzam outras formas de renda, mas não é sobre a reforma que se incide. Esse argumento da crise não pode estar vinculado, exclusivamente e tendo como solução, à punição da classe trabalhadora”.

A comercialização da produção da agricultura familiar do trabalhador e trabalhadora do campo ainda é feita de forma informal, o que dificulta a comprovação da atividade, como ressalta Ângela.

“Apesar das cooperativas destacarem nota [fiscal] para o agricultor e agricultora individual ainda é uma dificuldade muito grande comprovar a sua comercialização, porque é feito de forma muito informal: é no mercado local, nas feiras, na esquina onde está a banca da verdura. Nós somos contrários [à reforma da previdência] pelo retrocesso e retirada de diretos que ela traz e que foram conquistados há muitos anos”, pontua.

Outra alteração da reforma da previdência, Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 6/2019, projeto apresentado pelo governo Jair Bolsonaro (PSL), é estabelecer a idade mínima de 60 anos para homens e mulheres na aposentadoria rural e de pelo menos 20 anos de contribuição. Pela regra atual o trabalhador rural se aposenta com 60 anos o homem e 55 a mulher e não prevê tempo de contribuição, mas um tempo mínimo de atividade rural de 15 anos.


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.