COLUNA

Governo Federal não tem competência para reformulação do Bolsa Família

O Programa Bolsa Família representou um avançado processo de inclusão social no Brasil. Uma tecnologia social de largo alcance que foi capaz de incluir, socialmente e economicamente, milhões de brasileiros e gerou também o cadastro dos programas sociais brasileiros, que inclusive está servindo como âncora para permitir o repasse da renda emergencial durante a pandemia.

(…) o Governo Federal não tem revelado credibilidade para propor uma mudança dessas, à medida que já reduziu enormemente o alcance do próprio Bolsa Família

Atualmente esse programa é referência internacional, sendo aplicado em vários países do mundo. Nós devemos sempre estar abertos para debater possíveis reformulações, desde que preservem direitos estabelecidos. Qualquer reformulação que reduza o alcance do programa, que tente trabalhar com uma ideia de política social compensatória para pequenos grupos, não será admitida. Qualquer reformulação que partindo dos avanços consiga: ampliar a renda das famílias, os recursos para o Programa, que mantenha o Cadúnico como instrumento para esta renda e que escape do controle quase absoluto das oligarquias políticas, será bem-vindo.

Qualquer reformulação que signifique retrocesso eu penso que é contraproducente para uma etapa em que o país mergulhará em um período extremamente largo de dificuldades econômicas

No entanto, o Governo Federal não tem revelado credibilidade para propor uma mudança dessas, à medida que já reduziu enormemente o alcance do próprio Bolsa Família. Aqui no Pará o número de famílias que foram desligadas do programa é extremamente alto. No caso de Abaetetuba, nós registramos – só como exemplo do que ocorreu em todos os municípios – uma redução de cerca de 10 mil beneficiários do programa. Considero que qualquer reformulação tenha que partir dos avanços já estabelecidos. Recuperar o que foi cortado para então proceder se tiver que fazer a reformulação, que significa aperfeiçoamento. Qualquer reformulação que signifique retrocesso eu penso que é contraproducente para uma etapa em que o país mergulhará em um período extremamente largo de dificuldades econômicas.

Só ano que vem está previsto uma regressão de quase 8% do PIB brasileiro. A crise social deverá ser monstruosa no país e, portanto eu não sei se em pleno processo de pandemia nós conseguiremos operar qualquer reformulação que não seja retrocesso. E por último o próprio exemplo da dificuldade do Governo em operar a renda emergencial quando milhões de trabalhadores e trabalhadoras continuam excluídos não é um bom indicador de credibilidade para proceder a essa reformulação em plena pandemia.

Artigo de autoria do Deputado Bordalo publicado em 21 de junho no jornal impresso O Liberal – Caderno Panorama – Sim x Não – sobre: Você concorda com a reformulação do programa Bolsa Família, que será Renda Brasil após a pandemia?


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.