A polêmica Belo Monte

Blog do Bordalo

Por Ana Júlia Carepa, originalmente publicado em O Globo

Na polêmica sobre a usina de Belo Monte, o conservacionismo tem sido confundido com conservadorismo. Aqueles que já destruíram suas próprias florestas têm apregoado que Belo Monte destruirá nossa Amazônia. Conhecem pouco nossa realidade.

É evidente que nosso estado, o Pará, não se transformará no maior gerador de energia do país sem sofrer algum impacto.

Fui a primeira a procurar pelo governo federal. Não permitiria a repetição de erros, como Tucuruí, em nosso estado.

Assim, além da enorme redução de impactos desde o projeto inicial de Kararaô, foram garantidas contrapartidas sociais e ambientais inéditas na História.

Encontramos nosso modelo de desenvolvimento sustentável — sem destruir tanta floresta, como muitos países fizeram.

Para se ter uma ideia da viabilidade das contrapartidas que virão, o montante financeiro deverá passar de R$ 3,7 bilhões. Mais da metade disso, R$ 2 bilhões, já estão garantidos. Só para a construção da usina foi assegurado R$ 1,5 bilhão. Outros R$ 500 milhões estão garantidos como parte do repasse do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu. O total previsto é de R$ 2,29 bilhões para as áreas e comunidades afetadas. Pará poderá ter ainda R$ 90 milhões em royalties da produção de energia.

Os impactos ambientais, o ordenamento territorial, a regularização fundiária, além de obras de infraestrutura e inclusão social, estão todos planejados e viabilizados, assim como Unidades de Conservação à margem direita do Rio Xingu, com um bloco contínuo de floresta de 1,6 milhão de hectares.

Também assegurei que parte da energia seja destinada aos autoprodutores locais.Ou seja: a energia servirá para transformar recursos, como o minério, em empregos. Não é mais possível que o Pará fique empobrecido, dedicado apenas à exportação de minérios em bruto.

É conservador falar em preservação da floresta sem incluir a demanda popular pelo desenvolvimento, sem lembrarse da pobreza. No Pará, necessitamos da energia, mas levamos a sério a política ambiental. Nossa ação tem ido desde um zoneamento econômico ambiental até a sistematização da educação ecológica nas escolas.

A ONU lançou um apelo pelo plantio mundial de 1 bilhão de árvores até 2014. O Pará, sozinho, tem a mesma campanha: já estamos plantando 1 bilhão de árvores.Por isso, convido todos — inclusive os críticos — a nos ajudarem nesse plantio, que precisa atingir, até 2013, um milhão de hectares que foram devastados no Pará.

Aqui, além de plantar árvores, verão de perto a novidade do nosso modelo de sustentabilidade, com uma energia mais limpa e barata que a termoelétrica ou a eólica. Nossa ação não é conservadora, mas de conservação com desenvolvimento.

O Brasil não pode mais ficar à mercê de apagões.


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Leave a Comment

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.