Intervenção no Pará: Opinião do leitor


A pedido do leitor Márcio de Almeida Farias, que é especialista em Direito Constitucional pela UNESA/RJ, publico abaixo artigo de autoria dele muito pertinente para esse momento da crise criada pelo latifúndio e pela imprensa. Aqui, as portas estão abertas para quem quiser colaborar com o blog.

Intervenção Federal no Pará? Que nada.

A Constituição Federal disciplina o instituto da intervenção nos artigos 34 a 36. Num regime democrático, como é o brasileiro, a regra geral é a “não-intervenção”, ou seja, somente é admitida a intervenção da União em um Estado federado ou de um Estado em um Município em casos extremos.

As hipóteses de intervenção federal estão elencadas no art. 34. No inciso 6° do artigo em questão, vemos que a intervenção é possível para prover “a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial”. Isto é, se um Estado, injustificadamente, não cumpriu uma decisão judicial poderá ser alvo de intervenção da União. O Estado do Pará está sendo acusado por produtores rurais de não cumprir decisões judiciais de reintegração de posse.

O que o Tribunal de Justiça do Pará fez foi apenas admitir que o pedido de intervenção feito por esses produtores rurais possuem fundamento jurídico, ou seja, de que tais pedidos possuem um mínimo de plausibilidade.

O Estado comprova que vem cumprindo as reintegrações de posse na medida do possível, até porque cumprir uma decisão judicial desse tipo exige uma grande movimentação de recursos materiais e humanos, como o deslocamento de tropas. Se na capital já falta policiamento ostensivo nas ruas, imaginem para cumprir reintegrações de posse no interior do estado?

O TJE não autorizou intervenção nenhuma no Estado. Até porque o mesmo não possui competência constitucional para isso. Quem vai analisar o mérito desses pedidos é o Supremo Tribunal Federal, nos termos do art. 36, inciso II, da Constituição Federal. Se o STF acolher os pedidos, requisitará a intervenção ao Presidente da República, que indicará um interventor para governar o Estado interinamente até efetuar o cumprimento de todas as reintegrações de posse que ainda faltam, mas esse decreto de intervenção deverá ser submetido, no prazo de 24 horas, ao Congresso Nacional para ser aprovado, conforme é previsto pelo §1°, do art. 36 da Constituição.

Como demonstrado, o processo de intervenção federal é complexo.

Vi na internet que o STF possui, no atual momento, mais de 20 mil processos desse tipo para julgar, a maioria contra o Estado de São Paulo. Do ponto de vista jurídico, dificilmente o STF irá embarcar numa dessas. Se o fizer, estará fazendo uso político de uma situação que já existe no Pará há muitos anos e não apenas neste governo.

Portanto, a governadora Ana Júlia Carepa não deve se preocupar. Deve fazer o que já vem fazendo: cumprir as decisões de reintegração na medida do possível, conforme a realidade do Estado. Se o Estado não estivesse cumprindo decisão judicial nenhuma, poderia ocorrer a intervenção. Mas, não é o caso.


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.