Insegurança pública: criminalidade desenfreada e a farsa das estatísticas do governo Jatene

Nesta semana, priorizo a segurança pública na minha agenda parlamentar. Na verdade, a insegurança pública e a farsa das estatísticas que procuram demonstrar que existe segurança pública e que a criminalidade está sob controle.
No artigo a seguir, saiba como é montada e maquiada a estatística: numa chacina com várias mortes, é registrada apenas uma. Se policiais matarem alguém não aparece o registro. As centrais de flagrantes dos bairros estão desmanteladas e ninguém sai de seu bairro para outro para fazer uma única ocorrência policial. O crime existe, mas está bem subnotificado. Para tentar tapar o sol com a peneira.

E aí, governador Jatene? Diante da realidade o que faz o governo? Continua com a propaganda enganosa?

Blog do Bordalo pinoquio tucano
Na farsa das estatísticas, a tentativa tucana desesperada de mostrar para a população que vai tudo bem. A realidade é outra.


 A farsa das estatísticas
O Ministério da Justiça, divulgou o “Mapa
da Violencia”, onde se constata que o numero de Homicidios na Região
Metropolitana de Belém, cresceu 189,3%, em 10 anos.  O levantamento revelou que entre 1998 e 2008,
o número total de assassinatos, saltou de 403 para 1.166, o que representa
mais  de 97 homicidios por mês. A RMB, é
a terceira mais violenta do Pais, atrás apenas das regiões metropolitanas de
Salvador e Curitiba.
Belém, de 1998 a 2008, teve um aumento de
96% em sua taxa de homicídios.
Os dados apontam uma taxa altíssima de 47
homicídios para cada 100 mil habitantes, na capital paraense. Em 1998, essa
taxa era de 29.1, para cada 100 mil habitantes. 
Os índices de Belém são o dobro
das taxas de paises como o Cazaquistão(23,6/100 mil hab)  a Ucrânia(20,8/100 Mil hab) e a
Guiana (20,5/100 Mil Hab). È um dos legados perverso dos sucessivos governos tucanos.
O governo Jatene, num verdadeiro show de
pirotecnia, vem divulgando dados estatísticos de apenas seis crimes (homicídios
–apenas o Doloso-, roubo, estupro, latrocínio, extorsão e tráfico de drogas), e induz a população a pensar, que só temos apenas cinco crimes
violentos
.
É uma indução criminosa, pois somente no Código Penal Brasileiro temos
mais de 20 crimes violentos (leia texto mais abaixo). No governo da companheira Ana Júlia, no governo do PT, eram, 
divulgados os  dados estatísticos de 40
crimes, demostrando total transparência. Atualmente, o registro é de apenas 5 crimes, como se os demais tivessem deixado de acontecer!

Como Jatene faz para maquiar os números e
dizer que a criminalidade diminuiu:
1)     
Divulga apenas a estatística
referente a CINCO crimes violentos
.  Somente
no Código Penal, temos mais de 20 tipos de crimes violentos. A não-divulgação
de todos os crimes  dá a falsa impressão
de que a criminalidade diminuiu.
2)     
Unifica os registros de casos
com mais de uma morte
. Exemplo: uma chacina, com
seis mortes, por exemplo, é anotada como uma única ocorrência
, e para a
estatística de Jatene, ocorreu apenas uma morte, uma vez que a estatística
Tucana, é realizada levando-se em conta apenas o número de ocorrências, e não o total de
mortes. 
Esse truque é criminoso com a verdade, pois sabemos que naquelas regiões mais violentas, do Estado,
é comum, os pistoleiros, executarem no mínimo duas pessoas, numa única ação. O
correto, é fazer a estatística pelo número de mortes, como faz o Ministério da
Justiça, é por isso, que os números de Jatene, nunca batem com os do Ministério da Justiça.

3)     
Para efeito de contagem de
ocorrências, é  desprezado o 13º dia do mês
. Assim, centenas de
ocorrências, que são registradas naquele dia,não aparecem nas estatísticas. Será por que 13 é o número do PT?

4)     
As mortes violentas praticadas
por agentes públicos (policiais)
em confrontos, não são contabilizadas e, e
também, não aparecem nas estatísticas.
5)     
Centrais de Flagrantes desmantelaram a ocorrência policial – Ao instalar as Centrais de Flagrantes, o governo Jatene desmantelou ou desidratou
administrativa e operacionalmente,
como ele gosta de dizer, em jargão tucano, todas as unidades de bairro, principalmente
das periferias que hoje, não mais funcionam, nem para fazer um simples registro
de ocorrência. 
Exemplo: quem vai sair a noite do bairro do Jurunas para fazer uma ocorrência  ou participar de um procedimento em São
Braz, seja como vítima ou testemunha? Não vai, salvo em casos
extremante graves. 
Ou seja, ao dificultar o registro de ocorrências, o governo Jatene diminui
automaticamente o número de registro. E como o governo Jatene faz a
medição do índice de criminalidade pelo núero de registro, o que se tem é a divulgação de falsos números.
Porquês da subnotificação. E o agravante no caso do Pará
Os  órgãos policiais, não registram nem um terço
dos crimes ocorridos.
A população tem
restrições aos serviços públicos, em geral, e à polícia em particular. Diversas
pesquisas mostram que 
  • 60% das vítimas de crimes violentos, não registram
    ocorrências. 
  • Mostram ainda que 64% dos feridos por arma branca, não registram
    ocorrências. 
  • E 58% dos feridos por arma de fogo, também não registram
    ocorrência. 
  • Algumas causas dessa subnotificação: a  percepção da vítima quanto ao crime; a
    ineficiência do sitema policial; a falta de confiança no sistema policial; grau
    de relacionamento da vítima com o agressor.  
  • No caso do Pará, além dessa subnotificação geral, ainda tem o agravante dos novos critérios tucanos de dificultar e até sumir com o registros.
  
A falsa propaganda da redução da criminalidade
Vejam esses números divulgados pelo Governo
Jatene, referente ao 1º trimestre de 2012, 
com a falsa propaganda de diminuição da criminalidade:

1º Trimestre de 2012 – Região Metropolitana de Belém – RMB

Números Falsos                                Números Verdadeiros

Homicídios dolosos = 235                                   Homicídios dolosos = 268

Extorsão = 13                                                       Extorsão = 20

Latrocínio = 18                                                    
Latrocínio = 24

Roubo = 18.456                                                   
Roubo = 19.074
Estupro = 192                                                      
Estupro = 204

                   1º Trimestre de 2012 – Pará

Números falsos                                    
Números verdadeiros

Homicídio doloso = 677                                         
Homicídio doloso = 777

Extorsão = 16                                                          
Extorsão = 26

Latrocínio = 35                                                        
Latrocínio = 42

Roubo = 24.318                                                       
Roubo = 26.128

Estupro = 554                                                          
Estupro = 569     


Crimes 
Violentos –      1º  Trimestre de 2012
Homicídios:
RMB = 285
Belém= 
205
Interior Estado= 492
Pará= 
777
Tentativa   
de   Homicidio:
RMB= 88
Belém= 59
Interior do Estado = 261
Pará = 349
Total geral de apenas dois tipos crimes
Violentos=  1.126
   no  1º
trimestre/12

       

Ao apresentarmos a estatística real, de apenas dois crimes
violentos (homicídios e tentativa de homicídio), damos uma demonstração pálida do alarmante aumento da
criminalidade, tanto na Região Metropolitana de Belém, como no interior e  em todo o Estado do Pará. Fica claro como a população está entregue à própria sorte.

Blog do Bordalo Btabeviewer
A imagem que demonstra como os números da segurança pública no Pará estão maquiados.

Os crimes violentos

Ao apresentarmos a estatística real, de apenas dois
crimes
violentos (homicídios e tentativa de homicídio), damos uma demonstração
pálida do alarmante aumento da
criminalidade, tanto na Região Metropolitana de Belém, como no interior
e  em todo o Estado do Pará. Fica claro como a população está entregue à
própria sorte.

Relação parcial dos  crimes  violentos
1-     
Homicídio Doloso –   Artigo 121 do  Código Penal Brasileiro
2-     
Homicídio Culposo  – 
Artigo 121 §3º do Código Penal 
Brasileiro
3-     
Tentativa de homicídio  – 
Artigo 121 c/c 14, II, do Código Penal Brasileiro
4-     
Aborto provocado por terceiro –
Artigo 125 do Código Penal Brasileiro
5-     
Lesão Corporal  -Artigo 129 
do Código Penal Brasileiro
6-     
Lesão Corporal seguida de morte
– Artigo 129§3º do Código Penal Brasileiro
7-     
Lesão corporal culposa  – Artigo 129§6º do Código Penal Brasileiro
8-     
Violência doméstica   – Lei Nº11.340/2006
9-     
Rixa – Artigo 137 do Código
Penal Brasileiro
10-  
Constrangimento ilegal – Artigo
146  do Código Penal Brasileiro
11-  
Sequestro e cárcere privado
–  Artigo 148 do código Penal Brasileiro
12-  
Roubo  – 
Artigo 157 do Código Penal Brasileiro
13-  
Extorsão  – 
Artigo 158  do Código Penal
Brasileiro
14-  
Extorsão mediante
sequestro-  Artigo 159  do Código Penal Brasileiro
15-  
Dano Qualificado  – 
Artigo 163 §Único  do Código Penal
Brasileiro
16-  
Resistência –  Artigo 329 
do Código Penal Brasileiro
17-  
Coação  no curso do Processo – Artigo  344 do Código Penal Brasileiro
18-  
Tortura –  Artigo 1º da lei Nº9.455/97
19-  
Resistência mediante
violência  – Artigo 329 do código Penal
Brasileiro
20-  
Violação de Domícilio com
violência –  Artigo 150 §1º  do Cdigo Penal Brasileiro
21-  
Esbulho Possessório  – Artigo 161, II, do Código Penal Brasileiro
22-  
Estupro – Artigo 213 do Código
Penal Brasileiro

Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Leave a Comment

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.