Idiossioncrasias de um apavorado


No final do artigo, mais idiossincrasias.

Primeiro fala que está em vigor “um estilo de política e a uma forma de relacionamento entre Estado, economia e sociedade que pouco têm que ver com nossos ideais democráticos”. “Nossos” quem? Dos tucanos ou dos 80% que aprovam o presidente Lula? É o cúmulo do autoritarismo, sim, achar-se, do alto de quem compõe os míseros 6% que reprovam o governo do PT, a opinião correta. E o Brasil se não é mais democrático é porque a turma de FH ainda domina a economia e a mídia. E, com certeza, esses 80% não comungam dos “ideais democráticos” de querer enquadrar o MST, por exemplo, na Lei de Segurança Nacional, espólio da ditadura, que FHC quis lançar mão em 2000.

Depois se queixa do PAC assim: “Em pauta temos a Transnordestina, o trem-bala, a Norte-Sul, a transposição do São Francisco e as centenas de pequenas obras do PAC, que, boas algumas, outras nem tanto, jorram aos borbotões no Orçamento e mínguam pela falta de competência operacional ou por desvios barrados pelo Tribunal de Contas da União”. Puro pavor eleitoral, já que a maioria das obras está em andamento e não será permitido corte delas no Orçamento do ano que vem.

Aqui revela seu ponto de saturação, onde cortaria, literalmente, os pulsos, que seria o ingresso do Brasil, como membro permanente, no Conselho de Segurança da ONU: “Até mesmo a apologia da bomba atômica como instrumento para que cheguemos ao Conselho de Segurança da ONU – contra a letra expressa da Constituição – vez por outra é defendida por altos funcionários, sem que se pergunte à cidadania qual o melhor rumo para o Brasil”.

E no fim a pérola do que seria a atual “hegemonia” e o medo de 2010: “Partidos fracos, sindicatos fortes, fundos de pensão convergindo com os interesses de um partido no governo e para eles atraindo sócios privados privilegiados, eis o bloco sobre o qual o subperonismo lulista se sustentará no futuro, se ganhar as eleições”. Se ainda temos partidos fracos, é porque demos e tucanos barraram a reforma política.


Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.