Alepa instala CPI para apurar crimes ambientais em Barcarena

Sem categoria

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que irá investigar os danos ambientais na Bacia Hidrográfica do Rio Pará provocados por mineradoras foi instalada nesta terça-feira (20), na Assembleia Legislativa do Pará. Os deputados Neil (PSD) e Celso Sabino (PSDB) serão, respectivamente, presidente e relator da CPI, que tem como membros os deputados Eliel Faustino (DEM) e Tércio (PROS), autores dos requerimentos que deram origem à comissão, José Scaff (MDB), Miro Sanova (PDT) e Carlos Bordalo (PT). A primeira reunião de trabalho será realizada na próxima terça-feira (27).  Por maioria de um voto, os deputados aprovaram que as funções de presidente e relator seriam exercidas por parlamentares da base governista. 

O presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda, explicou que cabe à presidência da Casa declarar a instalação da CPI, que a partir de então “ganha vida própria e tem autonomia, não sofrendo mais pressões ou nenhum tipo de alteração por parte da mesa ou de outras comissões”. Ele repassou ao deputado Carlos Bordalo a presidência temporária da mesa para que fossem encaminhados os procedimentos regimentais da instalação da CPI, por se tratar do parlamentar com mais idade entre os presentes. Bordalo ressaltou a importância de se apresentar com urgência um plano de trabalho, requisitando à Alepa a estrutura para o encaminhamento das ações da CPI. 

Durante a votação, o deputado Carlos Bordalo foi indicado tanto para a presidência como para a relatoria da CPI, mas seu nome foi voto vencido pela base do governo. Para o deputado Tercio, “seria mais justo e equilibrado que a CPI fosse dividida entre base governista e oposição”. “É muito complicado a situação indicar presidência e relatoria, pois já sabemos que a CPI vai acabar em pizza, será um jogo de cartas marcadas”, criticou. 

Com experiência de ter participado de três CPIs – sobre tráfico humano, pedofilia e milícias, o deputado Bordalo ressaltou que a CPI de Barcarena é um tema complexo e que a sociedade tem enorme expectativa pelos desdobramentos das investigações. “Esse trabalho ficará marcado na história do Pará, com tudo que fizermos ou não fizermos. O relatório final deve expressar um diagnóstico preciso do significado de termos no Pará o maior complexo minero metalúrgico do mundo”, disse ele. 

Bordalo observou ainda que os deputados precisam definir como serão investigados os agentes públicos e privados envolvidos no processo de licenciamento ambiental e exploração mineral em Barcarena, além de ouvir a população. “Sabemos que a Hydro lançou uma nota pedindo desculpas ao povo do Pará, mas será que esse pedido basta? Também precisamos apurar qual o papel dos agentes públicos nestes licenciamentos, se não houve algum tipo de relação promíscua para facilitar determinados procedimentos”, ponderou. 

O parlamentar petista solicitou à presidência da CPI que as apurações sejam conduzidas no Auditório João Batista, garantindo a presença da sociedade e também da imprensa, excetuando casos em que seja necessária alguma oitiva reservada. 

Bordalo lembrou ainda que uma CPI tem poder de polícia e Justiça, podendo efetuar, de forma célere, uma auditagem em todas as licenças ambientais em curso, observando em que condições foram emitidas. “Se houver transgressões ambientais, devemos garantir o efetivo enquadramento penal e sugerir recomendações de aperfeiçoamento desta legislação”. Bordalo também defendeu a criação de royalties sociais para garantir o desenvolvimento das comunidades atingidas. E reforçou a importância da CPI. “Acredito na seriedade todos os colegas deputados que compõem esta comissão, um instrumento parlamentar que não pode ser banalizado e que tem força de obrigação de cumprimento, principalmente para o Estado. É urgente que o Pará estabeleça melhores critérios para a exploração mineral, que garantam a nossa sustentabilidade”.

O relator da CPI, deputado Celso Sabino, declarou que serão evocados os princípios do direito ambiental, como o princípio da precaução, para buscar os responsáveis pelos crimes ambientais em Barcarena. “Vamos observar que ações podem ser previstas e antecipadas, por meio do poder público, para que tragédias como essa não venham a ocorrer novamente”. Para ele, a lei ambiental “é muito completa e transparente, mas precisa ser colocada em prática”. O parlamentar garantiu que, embora presidente e relator sejam da base governista, a CPI terá total autonomia para investigar inclusive o licenciamento ambiental vigente em Barcarena. 

Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.