Comunidade 1º de Janeiro, em Castanhal, onde a líder rural Kátia Martins  foi assassinada, em maio de 2017 (Foto: Márcia Carvalho/ CDH)  A Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) realiza nesta quinta-feira (05), às 8h, a Sessão Solene de Outorga da Medalha de Direitos Humanos Paulo Frota. A comenda será entregue a 75 entidades, coletivos e personalidades […]

Alepa entrega Medalha Paulo Frota de Direitos Humanos nesta quinta, dia 5

Sem categoria

Comunidade 1º de Janeiro, em Castanhal, onde a líder rural Kátia Martins
 foi assassinada, em maio de 2017 (Foto: Márcia Carvalho/ CDH) 


A Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) realiza nesta quinta-feira (05), às 8h, a Sessão Solene de Outorga da Medalha de Direitos Humanos Paulo Frota. A comenda será entregue a 75 entidades, coletivos e personalidades que se destacaram na defesa dos Direitos Humanos no Pará. A cerimônia será realizada no Plenário Newton Miranda e é aberta ao público. 

Para o presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda, a outorga da Medalha de Direitos Humanos Paulo Frota é um reconhecimento à importância do trabalho em prol dos direitos humanos, que são direitos inalienáveis. Falecido em 1991, aos 52 anos, Paulo Frota foi juiz da Infância e da Juventude em Belém e tornou-se figura fundamental na luta pela implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Os homenageados são indicados pelas bancadas dos partidos, mas a Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Alepa tem papel importante na elaboração dessa lista, pois mantém relação direta com entidades e indivíduos que atuam pela promoção dos Direitos Humanos no Estado.

Ano após ano, o Brasil segue como um dos países com o maior número de violações de Direitos Humanos em todo o mundo. São inúmeras violações aos direitos dos povos indígenas, execuções policiais, conflitos no campo, perseguição contra pobres e militantes de movimentos sociais, barbárie em presídios, violência contra a mulher e população LGBTI e discriminação contra migrantes.

Após a execução brutal da vereadora carioca Marielle Franco, em 14 de fevereiro, relatores da ONU declararam que “a situação do Brasil é alarmante, já que o assassinato tem por objetivo intimidar todos aqueles que lutam por direitos humanos e pelo Estado de direito no Brasil”. 

“Direitos Humanos são os direitos básicos de todos os seres humanos, como o direito à vida, à moradia, à saúde, à liberdade e à educação”, explica o deputado estadual Carlos Bordalo, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Alepa. 

“Mas, infelizmente, em nossa sociedade, existe uma cultura forte de violação dos Direitos Humanos e de criminalização das pessoas que lutam em prol desses direitos. Boa parte da população concorda com a frase ‘bandido bom é bandido morto’ e defende que seja feita justiça com as próprias mãos, atropelando o processo penal do Estado democrático de direito e defendendo a execução e a barbárie. É preciso sempre ressaltar que defendemos a aplicação da lei para todas as pessoas, sem distinção. E que Direitos Humanos não servem para defender bandido, mas para evitar que o próprio Estado venha a se tornar o bandido”, complementa.

O Pará figura entre os Estados recordistas de violações de Direitos Humanos, sobretudo pelos recorrentes episódios de violência no campo e pelas ameaças às lideranças que se opõem aos grandes projetos de exploração da Amazônia. Entre 1985 e 2013, segundo a Comissão Pastoral da Terra, foram registradas 645 mortes relacionadas a conflitos no campo no Pará. O número é quase cinco vezes maior que o registrado pelo segundo Estado no ranking de assassinatos por questões fundiárias, o Maranhão, com 138 casos no mesmo período. Além disso, o Pará apresenta o maior número de Defensores de Direitos Humanos ameaçados. As estatísticas variam entre 80 e 100 pessoas ameaçadas. 

O Massacre de Pau D’Arco, em maio do ano passado, quando dez trabalhadores rurais sem terra foram assassinados, ganhou repercussão internacional. Em 2018, o Pará volta ao centro das violações, após as denúncias de contaminação de populações indígenas, quilombolas e ribeirinhas por rejeitos químicos despejados pelas grandes mineradoras no município de Barcarena. Duas lideranças que denunciavam os crimes ambientais foram assassinadas e outras seguem ameaçadas de morte. 

SERVIÇO: Cerimônia de entrega da Medalha Paulo Frota de Direitos Humanos. Nesta quinta-feira (05), às 8h, no Plenário Newton Miranda, da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa). Entrada franca. 

Curtiu? Compartilhe com os amigos!

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Notícias sobre a atuação parlamentar do Deputado Estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará.

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Whatsapp: (91) 99319 8959

Gabinete: Assembleia Legislativa do Estado do Pará – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Você se inscreveu com sucesso na newsletter

Ocorreu um erro ao tentar enviar sua solicitação. Por favor, tente novamente.

Blog do Bordalo will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.