Parlamentares do núcleo político do PT PA somam forças e integram mandato

Créditos: Amazon Filmes

A
integração dos mandatos dos deputados estaduais Carlos Bordalo, Dilvanda Faro,
juntamente com o deputado federal Beto Faro, será uma das estratégias para o fortalecimento
do Partido do Trabalhadores no Pará. Os parlamentares compõem o mesmo núcleo
político e no último sábado (8) estiveram reunidos com militantes e assessores
de suas bases.
Em sua fala Bordalo destacou sobre os desafios que muitos deputados do PT enfrentam em manter o mandato
frente a perseguição ao partido e argumentou que a união será o meio para se combater o ódio que alimenta o antipetismo. Ainda na avaliação do deputado o partido precisa se renovar, encontra novas formas de diálogo com sua base e com aqueles que um dia foram petistas, mas ponderou que a mudança não significa perder a essência que
tem como base a luta e a garantia dos direitos da classe dos trabalhadores e
trabalhadoras.
Durante a reunião os deputados apresentaram os seus mandatos, a equipe e
assessores que compõem a base do núcleo Articulação Socialista. O
encontro também serviu para expor os desafios e os impactos da política do
governo de Jair Bolsonaro no estado do Pará e na Amazônia. Entre os temas foi
citado a reforma da previdência proposto pelo Ministro da Economia, Paulo
Guedes, baseada em um modelo de capitalização e avaliada por movimentos,
pesquisadores e organizações da sociedade civil como uma proposta ainda mais cruel aos trabalhadores do que foi sugerido pelo governo de Michel Temer.
O
encontro reuniu cerca de 200 pessoas de municípios como Gurupá, Capanema,
Limoeiro do Ajuru, Melgaço e de outras localidades o sudeste do estado. Além de
militantes e assessores estavam presentes vereadores, prefeitos e vices, como
Lúcia Machado, de Santa Luzia do Pará, em sua fala ela destacou ser necessário
traçar uma estratégia que busque um maior vínculo com os jovens.

Injustiça – bandeira de luta
Dilvanda
Faro, que também está como deputada estadual, apresentou seu mandato. De
Bujaru, da comunidade rural de Curuçambaba, a deputada relatou que iniciou na
luta política ainda menina, quando teve que parar de estudar porque na
comunidade onde morava, não havia a 5ª série.
“Me
envolvi na política porque vi a injustiça quando terminei a 4ª série e não
poderia mais continuar os estudos porque não tinha a 5ª série na escola da
minha comunidade”, recorda.
A
injustiça é um dos elementos que movem muitos a lutar, como exemplificou na
fala da deputada. Diante da intensa perseguição ao PT, que tem como origem o golpe
político-jurídico-midiático e que ocasionou no impeachment da presidenta Dilma
Rousseff, em 2016, e depois a criminalização do ex-presidente Lula Inácio da
Silva, considerado um dos maiores estadistas do ano de 2010, segundo o Fórum
Econômico Mundial, Beto Faro, parlamentar que representa o PT-PA em Brasília,
lembrou de mais uma injustiça, a prisão de Lula.  
“Nós
não podíamos permitir que ele [Lula], que mudou o Brasil e mudou para melhor,
esteja preso por um crime que não está claro e que não tem provas porque querem
calar a voz de um homem capaz de mobilizar milhões de pessoas no Brasil”,
explana.
O
ex-presidente Lula encontra-se preso na sede da Superintendência da Polícia Federal,
em Curitiba há dez meses, apesar de sua voz ter sido silenciada Faro enfatizou que
o partido possibilitou que muitas outras, como a dele, de agricultores, ribeirinhos e
pescadores fossem ouvidas.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.