Fonte: http://institutopaulofonteles.org.br/ Por Angelina Anjos A Comissão da Verdade do Pará (CEV-PA) realizou nesta quarta, 29 de junho, oitiva na sala VIP da Assembleia Legislativa com o jornalista, poeta, escritor e militante político Pedro César Batista, irmão do deputado João Batista, assassinado a mando da União Democrática Ruralista (UDR) em 6 de dezembro de 1988. A […]

Comissão da Verdade do Pará ouve o jornalista Pedro Batista

No Comments Sem categoria
Por Angelina Anjos
A Comissão da Verdade do Pará (CEV-PA)
realizou nesta quarta, 29 de junho, oitiva na sala VIP da Assembleia
Legislativa com o jornalista, poeta, escritor e militante político Pedro César
Batista, irmão do deputado João Batista, assassinado a mando da União
Democrática Ruralista (UDR) em 6 de dezembro de 1988. A sessão, presidida pelo
deputado Carlos Bordalo, contou com as presenças de Jureuda Duarte Guerra,
Paulo Fonteles Filho e Renato Nazareth, membros da CEV-PA.
O crime perpetrado contra o
advogado e deputado estadual  – único parlamentar no exercício do mandato
assassinado no Brasil no período da redemocratização – está ligado ao fato de
sua destacada liderança política ao lado dos trabalhadores rurais e sua
vigorosa defesa da Reforma Agrária.
Pedro destacou a origem modesta
da família sem terra, vinda da região de Votuporanga/SP mobilizada até
Paragominas, no Pará, pelo discurso de ocupação da Amazônia feita pelo regime
dos generais. Era 1965.
Enfatizou o ingresso, em 1976,
de João Batista no antigo Centro de Ensino Superior do Estado do Pará (CESEP) e
sua liderança junto ao movimento estudantil o que o levou a presidir o
Diretório Acadêmico de Direito daquela instituição, além de ter liderado a
bancada paraense no Congresso de Reconstrução da União Nacional dos Estudantes
(UNE), em 1979.
Já formado, em 1981, vai
advogar para os sindicatos dos açougueiros, feirantes, hoteleiros e
rodoviários, onde, contribuiu para a organização dessas categorias de
trabalhadores urbanos.

Um dos aspectos contados pelo jornalista Pedro Batista, que ingressou na
militância política em 1979, foi o fato de ter havido em Belém, nas lutas
urbanas ou greves de categorias, as listas dos patrões onde, que participava de
manifestações públicas, era impedido de arrumar emprego na Região Metropolitana
de Belém.

Pedro Batista asseverou, ainda,
a condição de defensor público de João Batista que, ao lado de Benedito
Monteiro e Regina Barata, iniciaram a Defensoria Pública no Pará num período
marcado pela intensa violação de direitos humanos, seja nas cidades, seja no campo.

Questão nodal da oitiva foi a citação de cemitérios clandestinos de grandes
proprietários rurais no interior paraense, a questão da pistolagem e sua
atuação/organização, além do papel do Estado e do judiciário, sempre conivente
com os crimes mediante paga.

Na análise de Pedro Batista, o
assassinato de Paulo Fonteles e João Batista tem muito em comum por conta da
atuação da União Democrática Ruralista (UDR) e de seu líder de então, o atual
senador Ronaldo Caiado (DEM-GO). Diz não ter dúvidas de que aquela organização
política do latifúndio “teve papel decisivo nos assassinatos de Paulo Fonteles,
João Batista e outros, vítimas dos endinheirados do campo”.
Ao final Pedro Batista relatou
sobre o esforço havido na realização do documentário “João Batista, O Combatente
do Povo” e encaminhou a CEV-PA um conjunto de documentos da Agência Belém do
extinto Serviço Nacional de Informações (SNI). Os documentos fazem referência
ao esquema de vigilância, monitoramento e repressão da ditadura militar entre
as décadas de 1970/1980.
“Os documentos encaminhados por
Pedro Batista vão ilustrar o regime do terror no Pará e a visão de que os
trabalhadores eram os principais inimigos da Lei de Segurança Nacional”,
segundo o comissionado Paulo Fonteles Filho.
Para Jureuda Guerra “tudo
indica que foi a UDR a responsável pelo assassinato de Batista. A Comissão da
Verdade do Pará tem a responsabilidade em relatar esses episódios dramáticos da
vida pública do Pará”.

O deputado e membro da Comissão
da Verdade, Carlos Bordalo (PT), fez um recorte sobre a prática combativa de
João Batista e sua capacidade de liderança: “Jamais esqueço a figura do Batista
em cima de uma mesa fazendo discurso para os trabalhadores do sindicato dos
rodoviários e da sua capacidade de agitação que tinha a fala do João”.

Foto: Jean Brito.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Zap: 55 91 99319 8959

Gabinete: Palácio Cabanagem – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Show Buttons
Hide Buttons