Nos seus 12 anos, os dois governos tucanos se comportaram como escritórios gerenciadores dos nossos índices alarmantes de evasão escolar, analfabetismo, metade da população abaixo da linha da pobreza, liderança nacional em trabalho escravo e violência no campo, cujo maior símbolo foi o Massacre de Eldorado dos Carajás, desmatamento, exploração sexual infanto-juvenil e desmonte do […]

PSDB vai pagar de novo por seus desgovernos


Nos seus 12 anos, os dois governos tucanos se comportaram como escritórios gerenciadores dos nossos índices alarmantes de evasão escolar, analfabetismo, metade da população abaixo da linha da pobreza, liderança nacional em trabalho escravo e violência no campo, cujo maior símbolo foi o Massacre de Eldorado dos Carajás, desmatamento, exploração sexual infanto-juvenil e desmonte do serviço público.

O maior símbolo dessa era que as eleições de 2006 e as pesquisas recentes provam que nosso povo quer esquecer é a CELPA.Entregue por míseros 450 milhões de reais a investidores privados estrangeiros (Grupo Rede), hoje em dia está endividada, atrasando o próprio repasse do ICMS ao Estado, sem condições estruturais de sustentar todos os pontos de luz, deixando rotineiramente milhares de paraenses às escuras e vulneráveis à violência, sem conseguir responder à demanda do Pará por energia e cumprir o cronograma de expansão da rede de energia do Luz Para Todos, de onde lhe é provido investimento público para esse fim.

Na segurança pública, os governos de Almir Gabriel e Jatene promoveram a redução da frota policial, dos investimentos em inteligência, além do completo sucateamento das delegacias e presídios – o que aprofundou a precaridade da condição de vida dos detentos e a superlotação – do enorme déficit de viatura e efetivo produzido na capital e interior. Em 10 anos, nenhum concurso, apesar desse caos, foi realizado. Os tucanos conseguiram a proeza de diminuir de 1995 a 2006, o efetivo recebido: de 13.700 para 12.000 policiais militares.

Na educação, a regra geral eram escolas sem laboratórios de informática, bibliotecas e material pedagóico básico como giz e apagadores, salas com déficit de cadeiras, arrocho salarial absoluto, ausência de transparência ao repassar verbas públicas para Organizações Sociais (OS) controladas por políticos da União Pelo Pará e, novamente, a precaridade: nada menos que 12 mil trabalhadores temporários foram contratados sem qualquer critério republicano, só na UEPA, 80% do quadro funcional era nesse termo, quando o correto seria a realização de concursos públicos. Com a receita do “corte de gastos”, 80 % das escolas públicas ficaram fisicamente comprometidas. Tendência que predominou também quanto ao serviço público de saúde: arrocho nos salários, parcos investimentos nos hospitais de referência, estelionado da municipalização propagandeada por falta de repasse de verba suficiente às prefeituras, contratação de temporários ao invés de concursos. Até os hospitais regionais, anunciados com pompa e circunstância, foram erguidos a toque de caixa e entregues como elefantes brancos de concreto sem equipamento e funcionamento de fato.

Foram nos anos neoliberais dos tucanos que se destruiu completamente a capacidade de planejamento do Estado com a extinção do IDESP, por isso, na lógica de investimentos tucana, prevaleceu a concentração das ações na região metropolitana, a desconexão entre as distintas secretarias, gerando sombreamento de iniciativas e desperdício de dinheiro público, além da relação clientelista com as bancadas governistas. Por isso, se não criaram, os tucanos fortaleceram em muito os movimentos separatista do Pará, por inviabilizarem ou travarem o desenvolvimentos das demais regiões do estado.

Por fim, logo os tucanos que gostam de posar como arautos da moralidade, carregam um fardo pesado, como as denúncias que envolvem desvios de recursos na área da saúde, o superfaturamento de obras e o privilegiamento de repasse de verbas do tesouro estadual para grupos privados. Casos olimpicamente ignorados pelo Ministério Público Estadual, diga-se de passagem, todavia, o que é mais estranho, largamente comprovados pela CGE e encaminhados ao MPE.

Questões essas que devem aparecer na disputa eleitoral do ano que vem e ajudar e desfechar a eleição em favor da reeleição do nosso projeto seja contra o contraventor e truculento Mário Couto que, sem idéias e propostas, faz fuxico da vida pessoal da governadora, Jatene, que será masacrado pelos Almiristas ou o próprio Gabriel, nosso adversário preferido para tomar a segunda grande cossa da vida dele.

Posts Relacionados

  1. Realmente deputado Bordalo voçê tem razão quando escreve que o Pior Salário Do Brasil(PSDB)somente trouxe desgraça para o Brasil, como também foi o mentor do crime organizado em nosso País,especificadamente, de crime de abusos sexuais contra crianças e adolescentes, pois, existe em Mãe do Rio, e Vossa Excelência sabe disto, como também a ex – deputada Aracelli Lemos,que um vereador tucano JÚLIO DE OLIVEIRA BASTOS é acusado de estuprar meninas de 11 (onze) anos de idade em seu escritório, no ano de 2002, até a presente data sem solução, este estuprador jamais sequer foi chamado no fórum local, pois a Juíza local Cecília dos Santos Carneiro sempre protegeu este bandido, portanto, este não é o primeiro caso sem solução, há o caso do assassinato de Reijane Guimarães, que até agora Justiça de Mãe do Rio, se que é que se pode chamar este nome, não encontrou os executores e os mandantes deste crime, nestes termos, peço a V. Exa. que mande investigar este caso de estupro em Mãe do Rio levando – o até a CPI da pedofilia, como também a morte covarde da lider Reijane Guimarães, como uma forma de se fazer justiça a estes crimes escabrosos, abraços

    Permalink

Deixe uma resposta

Email: dep.bordalo@alepa.gov.pa
Contato comunicação: bordalo13@gmail.com
Zap: 55 91 99319 8959

Gabinete: Palácio Cabanagem – Rua do Aveiro,130 – Praça Dom Pedro II, Cidade Velha – 66020-070 3° andar
Fone: 55 91 3182 8419 (ramal: 4368)

Copyright © 2019 Deputado Bordalo. Todos os Direitos Reservados.

Show Buttons
Hide Buttons